STJ decide que repetição de indébito tributário só pode ser postulado pelo sujeito passivo que arcou efetivamente com o ônus da cobrança.

  • By:adminberbigier
  • 4 Comments

A Primeira Seção do Superior Tribunal de justiça, no julgamento dos embargos de divergência em resp nº 1.318.163 – PR do dia 26.06.2017, por unanimidade, entendeu que a repetição de indébito tributário só pode ser postulada pelo sujeito passivo que pagou, ou seja, que arcou efetivamente com o ônus financeiro da cobrança, conforme a interpretação dos artigos 121 e 165 do Código Tributário Nacional (CTN).

A divergência apontada envolveu questão relacionada à legitimidade do sujeito passivo de obrigação tributária acessória (no caso, pessoa jurídica de direito privado) para requerer a restituição de indébito tributário resultante de pagamento de Imposto de Renda retido e recolhido a maior, quando em cumprimento do artigo 45, parágrafo único, do CTN.

O dispositivo estabelece que a lei pode atribuir à fonte pagadora a retenção e o repasse ao fisco do IR devido pelo contribuinte. Decisão da Primeira Turma, no entanto, entendeu que apesar de ser fonte pagadora, a empresa não tem legitimidade ativa para postular repetição de indébito.

Segundo o acórdão embargado, “não há propriamente pagamento por parte da responsável tributária, uma vez que o ônus econômico da exação é assumido direta e exclusivamente pelo contribuinte que realizou o fato gerador correspondente, cabendo a esse, tão-somente, o direito à restituição”.

Ficou sedimentada a tese no sentido de que “O sujeito responsável pela obrigação de fazer consistente em retenção e recolhimento do Imposto de Renda não tem legitimidade ad causam para pleitear a restituição de valores eventualmente pagos a maior por ocasião do cumprimento de referida incumbência normativa”.

Ao votar pela manutenção do acórdão embargado, o relator, ministro Og Fernandes, lembrou que não se pode confundir a sujeição passiva de uma obrigação tributária acessória em que o objeto corresponde a um fazer ou não fazer no interesse da arrecadação e a sujeição passiva de uma obrigação tributária principal cujo objeto corresponde ao pagamento de tributo ou penalidade pecuniária, diferenças encontradas no art. 113 e parágrafos do CTN.

 

Posted in: Noticias

Comentários

4 comentários para “STJ decide que repetição de indébito tributário só pode ser postulado pelo sujeito passivo que arcou efetivamente com o ônus da cobrança.”

  1. Edwin

    Hi there! Such a good post, thank you!

    Março 11, 2019 - 7:42 am #
  2. Marco

    I discovered your site from Google and I need to say it was a great find.

    Many thanks!

    Março 10, 2019 - 4:53 am #
  3. Barney

    Could you tell me what style are you utilizing on your site?
    It looks nice.

    Março 9, 2019 - 10:27 pm #
  4. Hannah

    Do you have any kind of tips for writing short articles?
    That’s where I constantly struggle and I just wind up gazing empty
    screen for very long time.

    Março 9, 2019 - 4:55 am #

Deixe uma resposta